Skip navigation

quanto pode um homem defrontar-se com o próprio tédio? obviamente, não se pode apreender o tédio como uma coisa que se pega e se olha de frente. defrontar-se sem desvios ocorre, não obstante, de modo oblíquo. assim: quanto, evitando o desvio e o recalque, pode um homem circundar o próprio tédio, rondá-lo, amá-lo? como pode o homem suportar seu próprio tédio, inquieto e vácuo(, que não permite, pois, perguntas e respostas em eco)?

o tédio parece a via mais insistente à angústia. em termos sonoros, é defasagem gradual: descompasso do homem em relação ao porvir, que se desembesta em mudez.

cumpre determinar ainda se, uma vez que o tédio abre a angústia, pode-se, partindo dele, encontrar a alegria, sustentáculo (ou lida?) da angústia.

de qualquer modo, invarialmente não evitá-lo: amor fati.

Anúncios

One Comment

  1. Dá uma olhada no Lúcio Cardoso. Vai encontrar uma leva de gente confrontando o próprio tédio, das mais diversas maneiras e, ao que me parece, até o limite. Bom, estou falando de A Luz no Subsolo (eta nome bonito!), que ainda nem terminei de ler.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: